Perceba sua natureza transitória...

Desperte teu Sol Interno...

...e Siga a natureza silenciosa de teu coração.


MMSorge

Tradutor Universal

terça-feira, 5 de março de 2013

DEPOIMENTO SURPREENDENTE!!! A Cura através das frequências Sonoras

DEPOIMENTO SURPREENDENTE!!!
A Cura através das frequências Sonoras.


Nota do Blog O SOL INTERNO:



Estes dias recebemos um presente de um ser mais que especial.

Segue abaixo um relato e Depoimento sobre a atuação do Frequências de Cura de forma extremamente profunda na recuperação pós UTI de Ana Gardênia, Jornalista, Comunicadora e Locutora.

Gostaríamos de compartilhar com todos os nossos leitores do blog O SOL INTERNO.

Postaremos logo em seguida toda a experiência vivida deste maravilhoso ser que após 5 meses de UTI renasceu como a ave Fênix suas próprias cinzas.

Leia a experiência de ANA na íntegra.

FIAT LUX
PAX

MMSorge


***


Ana Gardênia (Alto Paraíso - GO)

Jornalista, Comunicadora e Locutora



15, Lua Galáctica, Ano Tormenta Ressonante Azul.


As Frequências de Cura MMSorge.


As Frequências de Cura têm sido buscadas e pesquisadas já há algum tempo. O fato de saber de sua existência e destino, provavelmente no meu caso, contribuiu para sua eficácia, mas isso não é um fator determinante. Qualquer pessoa, leiga ou estudiosa do assunto, poderá beneficiar-se da ação das frequências de cura. A forma como chegaram às minhas mãos também é muito relevante. Acostumada aos voos da sincronicidade, vi e atesto que os acontecimentos organizados pelo fluxo de uma energia que comporta-se em conformidade com nossa mente, estão desde sua origem enquadrados numa espécie de frequência. A frequência mental, a lei da Atração, trouxe-me a presença dos gêmeos MMSorge. Eles mesmos sintonizados numa cura planetária, portanto, total sincronicidade.


Recém-saída de uma UTI onde fiquei por cinco meses, depois de um coma que quase me tirou da vida física, recebi esse presente que ainda demorei “abrir”, tão debilitado era o meu estado geral. Na época, esperando chegar meu novo computador, ensaiava novamente os passos e o equilíbrio. Finalmente quando veio a condição, passei a ouvir os CDs.


De modo geral o som interage com os nossos corpos sutis, como o anunciado. O que se verifica a partir daí é uma abertura de memória, como se as vibrações tocassem os códigos de cada Roda, de cada Chacra. À medida que vamos apenas nos concentrando na respiração, sem expectativas, veem imagens dessa e de outras histórias, acredito que de outras vidas. Na primeira vez que ouvi, as imagens eram muito mais nítidas, apareciam carregadas de sentimentos e sensações. Depois foram ficando mais rápidas e distantes. Destaque para a combinação de sons e visões, eram cores, cenas, situações que tinham relação com a atual maneira de entender e reagir no mundo. E também relacionados ao que estava sendo levada a ver e compreender antes de entrar no padrão de cura. A cura viria da consciência e memória sobre o que estava arquivado e trancado na “caixa de pandora”: os chacras. Eis o que escrevi na época.


Trabalhei o chacra básico com o CD vermelho: uma profusão de imagens mentais ligadas à história da humanidade, durante o processo muitos links mentais com dimensões subatômicas, "vi" o movimento de moléculas e pequeninos seres que pareciam larvinhas astrais. Tive uma sensação de segurança, de autoconfiança, de determinação sem apegos.

Fiquei muito íntima desse despertar quando ouvi o CD pela segunda vez. Não há reprovação nem culpa em relação a nada, mas aprendizado. Tudo chega à mente como uma síntese do que se passou em relação a perdas e suas consequências.


Fui movida a uma profunda admiração pelos meus pais, também adquiri mais poder físico, meu pequeno corpo é um grande instrumento de expressão vital, tal como um elemental da natureza, só isso e tudo isso. Tem função, espaço, tempo, prazo de validade e informação biológica capaz de contar histórias atávicas, talvez até de outros mundos. Mas isso é simples, não tem complicação, embora seja holográfico na medida em que ampliou consciência para toda a egrégora que me acompanha.


Tudo o que eu sou foi atingido por uma espécie de modificação setorial que influiu de dentro para fora, da primeira para quarta dimensão. E foi simples como ver um filme, saí com a informação sem precisar carregar a produção.


Na sequência dos CDs, o segundo chacra, o de cor laranja, repetiu a abertura do arquivo, mas era totalmente energético. Senti dor, uma sensação de empuxe de dentro para fora como se algo estivesse resistindo a sair enquanto estaria sendo arrancado. Uma pressão estendeu-se até os quadris e foi possível perceber um dispositivo que estava afixado no esqueleto como se estivesse parafusado ali. Dai veio uma dor na perna esquerda e por dentro das veias uma coisa ardente e “pesada” começou a sair, primeiro pela parte posterior do joelho, depois pelo pé, como no Reiki. Era a sensação de uma câimbra, só que dentro da circulação sanguínea, quando saia do músculo eu tinha que flexionar o pé para poder aguentar. Isso aconteceu em várias outras audições também em outros chacras. No chacra laranja percebi que havia uma ponte para ser atravessada. Era um bloqueio. A resposta não veio imediata, e como nada surgia de pronto, uma “voz” sutil disse que se perguntasse objetivamente teria o resultado. Muitas situações em que houve recusa a algum tipo de autoridade me vieram à mente. Mas sinceramente, tive a certeza de que alguma coisa foi propositadamente colocada ali com o intuito de me impedir de andar. Foi o que me veio.


No terceiro chacra, o amarelo, as imagens confusas e em quantidade voltaram, fiquei quieta para ter certeza de que os espasmos que estavam ocorrendo eram em função do som e não de minha iniciativa. O corpo dava solavancos como se estivessem com um saca-rolha no meu plexo solar. Ele vibrava muito e girava igual quando a gente tira o cd do aparelho de som antes dele parar totalmente, era daquele mesmo jeito. Senti enjoo e uma criatura “assumiu” minha forma humana, era uma incorporação consciente. Eu senti tudo o que “ele” estava sentindo, depois de passar toda a sua “raiva” pra mim, e eu compreendi, ele saiu. O plexo ainda sacudiu bastante, mas a cada sensação de que “alguém” estava saindo ficava mais leve e “maior”. De uns 5 cm de espessura senti ampliar para o tamanho de um prato de sobremesa. Pulsava. Na ocasião escrevi para os gêmeos o seguinte:


Eu seria uma irresponsável se não falasse sinceramente sobre isso e sem reservas. Foi inacreditável (por falta de uma palavra mais eficiente para traduzir o que ocorreu) inacreditável porque superou o sistema de crenças popularmente divulgado pelas religiões. Como não pertenço a nenhum grupo específico, porque sou livre, então sinto-me à vontade para vivenciar de tudo. Antes das frequências de cura, fiz uma meditação induzida de práticas hindus relativas à invocação de seres que atuam nas nossas dimensões. Pois bem, ai depois fui para o CD MM Sorge. Olha, eu nunca vi tantas eclosões de imagens, parece que acessei vidas anteriores, lembranças de fatos enterrados pelo tempo. E - pasme! - houve uma desobsessão, algumas criaturinhas acopladas no chacra começaram a sair, provocando pequenos espasmos. Senti o giro e uma vibração de energia expulsando coisas. Só pra começar. Ai o jeito foi fazer uma ancoragem pra encaminhar os doentes para o plano da desintegração atômica e os que ainda tinham "vida" psicológica devem ter sido conduzidos para algum setor entre o céu e o inferno (entre as supra e infradimensões). De qualquer forma voltei a fazer uma conexão bem interessante que estava obstruída pelo padrão da doença; GRATIDÃO. Nossa só lembrava de vocês aqui, dizendo que tiveram a intuição de me presentear com essa dádiva. Como posso retribuir? Divulgando.


Esse relato dimensionou um pouco do potencial das frequências. O som desobstruiu os chacras e consequentemente abriram o canal para uma conexão mais elevada. Abriu-se novamente o fluxo entre os corpos sutis e o físico.


No quatro chacra, o cardíaco da cor verde, as imagens eram mais dispersas embora tivessem também memórias e eram mais “ideológicas”, mostravam o tipo de identificação a quê estava dedicando energia. Sem reprovações, uma “emoção racional” descreveu quem eu sou e como eu amo. O que é o amor para mim, a quê eu costumo associá-lo, como desconecto da sintonia, o quê ainda não conseguiria descrever porquê não há palavras, mas eu entendi. Como amo minha família, meus amigos, minha pátria, meus relacionamentos, o que significa o meu ideal de vida, como amo a mim mesma e de que forma isso repercute no outro. Incrível, melhor, indescritível. Também um carinho super humano me invadiu suave e autônomo. Uma experiência de revigoramento, como se a coisa mais importante do mundo estivesse ali. Estava sendo alimentada de amor. Fiquei assim ainda um bom tempo até a rotina me “roubar” um pouco da concentração nesse novo padrão dos sentidos.


No chacra laríngeo, o azul, o início da cura voltou a ter conturbações. Novamente umas personas desacoplaram e fui acometida de uma tosse seguida de uma descarga, vomitei. Tive que levantar e ir ao banheiro. Mas o som continuou agindo, corriam lágrimas pelo rosto enquanto eu me livrava daquilo que agarrava a minha garganta. Posteriormente percebi um alargamento na laringe e uma maior segurança no raciocínio, algo como perder o medo de falar, falar com clareza. Falar agora é a consciência de um poder. Um poder que exige responsabilidade e lucidez. E discernimento. Mas eu de alguma forma sabia que assim o faria. Estranha sensação, essa da certeza.


No chacra do terceiro olho tudo foi bem tranquilo. Mas um redemoinho fez-se sentir. Sabe quando muita água começa a descer pelo ralo da pia fazendo aquele túnel de água? Foi assim. Um túnel, achei que ia viajar, mas fiquei por aqui mesmo. Na parte compatível à glândula pineal dava para sentir a raiz do túnel e nesse exato momento houve um incômodo no topo da coluna, na base do crânio. Deve ser o sistema nervoso. Repercutiu pelas costas numa fiação neurológica com o chacra cardíaco.


Finalmente quando cheguei ao chacra coronário violeta, tive a sensação de despertar um corpo exterior. É como se usasse uma capa de energia e não o soubesse, aí de repente: uau ai está ela. O som “percorreu” todo esse corpo exterior, fazendo escalas aqui e ali, indo pelas “articulações” horizontais, não me pergunte sobre isso, não me complique. Não saberei explicar. Apenas uma energia imantava tudo e era muito inteligente, sabia o que estava fazendo e bem objetivamente. Era uma vibração acordando órgãos por todo o corpo só que externamente a eles.


A conclusão a que chego é que estamos diante de algo que deve ser aprofundado em todos os seus aspectos. O que foi adquirido pelo contato auditivo com as frequências é um resumo de várias ciências, algumas extracurriculares nas academias e certamente extraordinárias para a compreensão da medicina comum. Mas incontestavelmente chegamos no tempo das Revelações e estou certa de que um número cada dia maior de pessoas terá histórias e experiências sobre os efeitos das frequências de cura. Sinto-me muito bem, após a desobstrução dos chacras a saúde simples e naturalmente ressurgiu. Seis meses fora da UTI já viajei para o Nordeste, passei três dias num ônibus e voltei de avião, enfrentando todo o caos aeroportuário e o traslado Brasília/Alto Paraíso. Sem falar na agenda de reuniões, eventos e meditações que fizemos para minimizar os estragos da mídia, sobre a data 21 de dezembro de 2012, que encerrou o Grande Ciclo da Transformação da Matéria do sincronário maya.


As frequências são ondas vibratórias que entram em ressonância com nossa natureza, devolvendo a ela sua condição original.


Gratidão a Márcio e Marcelo Sorge e a todos os envolvidos neste trabalho que trouxe ao alcance das pessoas o verdadeiro propósito desse conhecimento: a aplicação prática para a cura dos seres. Assim É.


Estarei sempre com vocês.


Ana Gardênia, Jornalista 
gardeniaabbramelin@gmail.com


Conheça mais sobre o Frequências de Cura e adquira em:


***

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja Bem Vindo ao Sol Interno, agradecemos seu comentário.
Gostou deste Blog? Ajude-nos a divulga-lo.

Obrigado

Namastê
FIAT LUX
PAX

MMSorge

Se o amante se lança na chama da vela e não se queima,
ou a vela não é vela ou o homem não é Homem,
Assim o homem que não é enamorado de Deus
e que não faz esforços para o alcançar não é Homem.
Deus é aquele que queima o homem e o aniquila
e nenhuma razão o pode compreender.

Mawlana Rumi - ' Fihi ma fihi'

Por Amor

Por Amor
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

... És precioso aos meus olhos. Troco reinos inteiros por ti...

"Nem Cristão, Judeu, ou Muçulmano,

nem Hindu, nem Budista, Sufi ou Zen.

Nem uma Religião ou Sistema cultural.

Eu não sou do Oriente nem do Ocidente,

nem dos oceanos nem da terra,

nem material ou etéreo,

nem composto de elementos.

Eu não existo..."


Mawlana Jalaluddin Rumi